Não me enforquem, mas o Internet Explorer 9 presta!

0
551

Navegadores, algo polêmico, e que deve ser retratado com calma. Acho que não preciso citar a guerra que temos contra o Internet Explorer desde que a versão 6 ficou ultrapassada, a guerra teve seu estopim, e para ver o nível de importância dela, a própria empresa criadora quer a morte dele, assim como, os navegadores Internet Explorer 7 e 8, que já encontram num estágio ultrapassado e constrangedor.

Desde março, temos o Internet Explorer 9, que desde o ano passado — setembro para ser mais exato –, ficamos boquiabertos com a nova versão do navegador com o seu motor revolucionário quando se trata do Internet Explorer. Pois bem, ele presta, sim, finalmente, um Internet Explorer que preste, e não exagero quando digo isso.

Sou aprendiz de programação, e estudo algumas coisas de navegadores — afinal, ser programador sem saber de motores de navegador é algo vergonhoso –, e o Internet Explorer é o que mais pesquiso, ou melhor dizendo, é o que mais condeno a cada movimento de pixel do cursor na tela. Já fui atrás de falhas dele, e o que mais achei foram erros, principalmente de segurança, mas eu denunciava todos, aliás, o que eu ia ganhar da vida roubando senhas?

A história do Internet Explorer não é boazinha, ao contrário, é do mal, mas isto desde uma certa época. Uso Windows desde a versão 95, e lembro muito bem como era ter um computador que era caríssimo na época, onde podemos comparar com o valor dos Macs hoje, e um que era mais ou menos uns 3 mil reais, era como se fosse pegar 1GB e rodar Windows 7 com todo poder de processamento. Era mais ou menos assim que agia meu computador na época, mas só depois que o Windows 98 surgiu que tudo melhorou a situação, e os computadores, bem mais baratos ficaram.

Nessa era, o Internet Explorer só tinha um rival de porte: Netscape. Netscape era o Firefox da época, nossa, que navegador bom para a época. Eu nunca usei mais o Internet Explorer depois que o conheci, até que, a Mozilla entra em campo, e não foi com o Firefox, foi com outro navegador que se chamava Mozilla mesmo. Três navegadores, era como se o Mozilla fosse o Chrome e o Netscape o Firefox — não confirmo estes dados, mas é isto que eu me lembro daquela época.

Recordo pouco dessa época, aliás, não tinha idade suficiente para aprender e fui aprimorando um pouco quando deu uma Wikipediada pela internet. Mas naquela época, a internet era literalmente GIFs e HTML puro, e não tinha muito de CSS, e se não me engano, naquela época nem CSS se existia, e não existia JavaScript, acho. Era meio complexo nesses quesitos e as páginas não eram muito elegantes, onde a gente adicionava uns códigos de HTML básico e pronto. Se fosse uma página daquelas nos dias de hoje, seria muito mais fácil com a tecnologia de hoje para gerar navegadores. Era outra idade, mas os navegadores tinham as mesmas dificuldades que tinham hoje para implementar um HTML5 de ponta neles.

Desde que o CSS e o JavaScript ganhou poder, o Internet Explorer veio caindo. Além disso, foram surgindo vários navegadores, como o Mozilla Firefox tomando o lugar do “Mozilla”, o Safari, o Opera que não é da nova geração, é bem antigo; e para fechar o ciclo, o Google Chrome. As tecnologias foram surgindo, e a cada dia o JavaScript cresce mais, o CSS, e agora, o HTML5.

A internet muda, e as tendências também. Não dá para seguir a vida de algo com aquilo que temos em mente sempre, tudo se renova, como também pode-se considerar as leis da ciência, que a cada vez tem uma renovação, e a internet segue na mesma ideia, quer dizer, a tecnologia em si, pois até há um tempo atrás, ninguém fazia celular com processador com mais de um núcleo.

Mas na renovação, a Microsoft dormiu no ponto. O Internet Explorer 6, que nasceu em 2001 com o Windows XP, com grandes novidades da época, parou por ali mesmo, e foi até o último navegador para Windows 98 — lembro de mim até hoje choramingando quando o 7 saiu e eu não pude ter no meu trash PC com Windows 98 –, e mais uma vez, tudo mudou. Veio com o CSS, mas se não me engano, sem JavaScript, ou se tinha, era algo muito básico para os dias de hoje.

Não vou enrolar, mas já deram para entender que a Microsoft dormiu literalmente. O Internet Explorer 6 nem em 50 ficava nos testes do Acid, ou melhor dizendo, se a página carregava era um milagre para ele, isto foi entre 2009 e 2010, eu me lembro.

Depois de ter os fracassados Internet Explorer 7 e 8, a Microsoft meio que deu um basta. Já estava num embalo que só ela teve quando fez o Windows Phone 7, e no embalo que fez o Windows 7 vingar o fracasso do Vista, agora só faltava mostrar para o público que eles sabiam fazer navegador, e com o HTML5 e CSS3 vingando, tiveram mesmo que mostrar, esta aí, Internet Explorer 9.

Com um visual renovado, com um uso de memória equilibrado ele surgiu, e para a surpresa de muitos, ele vingou seriamente mesmo, sem delongas, eu fiquei boquiaberto quando vi a versão “Windows Internet Explorer Developer Preview” que era apenas uma janela com uma barra de endereços para você entrar num site e testar, melhor explicando, era um visualizador do motor dele para ver sua força. Foi ali que tudo começou.

O que não podia se ter no navegador em suas versões anteriores, que era bordas arredondadas, sombreamento, entre outros, obteve na nova versão. Eu vi com meus olhos o funcionamento na versão de testes, e o HTML5, que não funcionava, funcionou bem até demais na nova versão. Digamos assim, de novo, o Internet Explorer voltou a prestar, mas não para um geek.

Pegando o navegador culto da Microsoft, eu não tive bons frutos, aliás, ele não tem o que eu preciso. Podemos ver que o navegador é para o público leigo, que somente deseja acessar a internet, que não é como nós, geeks/nerds, que querem tudo avançado, com aplicativos, com tudo avançado para nós. Aliás, a internet não tem graça sem eles.

Um fato a ser discutido também é a otimização do HTML5. O Angry Birds, que foi feito originalmente para Google Chrome, mas que podia se acessar entrando em http://chrome.angrybirds.com/, rodou sem travar um segundo, e foi melhor que o Opera, Firefox, Chrome e Safari no Mac, Linux e Windows. O Internet Explorer ganhou de todo mundo.

Então, amigos, ter preconceito com o Internet Explorer não está dando mais conta, ao contrário, está deixando de ter uma boa colheita. Desde que o Internet Explorer 9 surgiu, aboli a ideia de um CSS só para Internet Explorer ao fazer um tema para WordPress — que era uma perda de tempo e nunca fazia por causa do meu ódio mortal ao IEca — e saí colocando CSS3, mas só tem um problema: é impossível matar os antepassados dele e temos que, mais uma vez, adaptar tudo.

O Internet Explorer, para leigos, é sim, um bom navegador, mas não é bom demais, ou melhor, não passa de bom. Ainda tem muito que se deve apelar para a uma boa recuperação, mas com o tempo a Redmond (Microsoft) supera isso, aliás, alguém já viu o beta do motor da nova versão? Sim, a 10 está saindo aí e já está incluso no Windows 8 beta e posso julgar que está demais, só precisa de umas melhorias, mas sabe como é versão de testes de um sistema operacional.

Mas voltando ao papo. Qual é a sua opinião sobre a versão 9 e, caso tenha utilizado, qual é a sua sobre a versão 10?

Avisos: Aquelas informações sobre nascimento do CSS, Netscape, Opera, Mozilla,whatever (entre outros), não sei se são verídicas, e eu não pesquisei sobre pois meu alvo não era aquilo, ao contrário, era o final do texto. Eu só me recordo daquilo. Aah, sim, esta é a minha opinião, mas continuo detestando o Internet Explorer mesmo assim, já que ele só poupou minha vida como desenvolvedor, mas como usuário de internet, quero ele distante do meu computador.

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES GRÁTIS
Enviamos nossos novos posts por e-mail para que você não perca nenhuma novidade!