Invenção da Máquina de Escrever

0
221
Máquina de escrever

Popularizada a partir do início do século XX, a máquina de escrever manual cedeu aos poucos espaço para a máquina elétrica, substituída depois pela eletrônica. No fim do século, o computador com editor de texto, que poupa trabalho e recursos materiais, relegou a máquina de escrever à obsolescência. A máquina de escrever é um mecanismo que imprime caracteres (letras, números e outros sinais) mediante a pressão de tipos sobre uma fita entintada colocada entre estes e o papel. Os tipos são acionados por teclas que trazem gravado na superfície superior o caráter a que correspondem e se encontram dispostas de modo convencional, válido para todas as línguas que utilizam o mesmo alfabeto. O papel é posto entre uma superfície e um cilindro, que faz com que ele gire à medida que se processa a escrita. Há ainda dispositivos para controlar entrelinhas, espaços, margens, maiúsculas, cor e direção da fita.

A primeira referência à máquina de escrever se encontra na patente concedida pela rainha Ana da Inglaterra ao engenheiro Henry Mill, em 1714, cujo modelo nunca foi construído. Em 1784 foi proposta uma máquina de escrever para cegos. A primeira patente americana (1829) é de William Austin Burt, de Detroit, mas em 1833 o francês Xavier Progin, de Marselha, apresentou um invento que utilizava barras de tipo, com uma alavanca para cada letra. Somente em 1867 chegou-se a uma versão prática e adequada para fabricação em escala industrial, graças aos trabalhos de Cristopher Sholes, Carlos Glidden e Samuel Soulé.

Em 1873, os inventores firmaram contrato com a E. Remington & Sons, fabricante de armas de Nova York, e a máquina começou a ser comercializada no ano seguinte. Essa versão apresentava a maior parte dos princípios da máquina moderna. Em 1920, J.E. Smathers inventou a máquina elétrica, mais veloz e de teclado mais leve. Posteriormente, surgiu o sistema de esferas móveis de tipos, que dispensam o carro móvel.

A etapa seguinte da evolução foi a máquina eletrônica, que funciona à base de um circuito transistorizado, é dotada de memória e utiliza um elemento de impressão tipo margarida, em que os caracteres se encontram nas extremidades de hastes dispostas em forma de flor. Além de ter velocidade e leveza de teclado superiores às da máquina elétrica, é capaz de centralizar, sublinhar e registrar negrito automaticamente. Por meio de uma placa, pode ser ligada a um computador e funcionar como impressora.

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES GRÁTIS
Enviamos nossos novos posts por e-mail para que você não perca nenhuma novidade!

Deixe uma resposta